18 de maio de 2008

Para onde vai o ensino?

Outro dia recebi por e-mail o texto que colocarei a seguir. Parece piada, mas o pior é que não é!

"Um Supermercado deu provas para candidatos a caixa ler e preencher um cheque. De 50 canditados, só passavam um ou dois.

Um homem comprou um produto que custou R$ 1,58. Deu à balconista R$2,00 e pegou na bolsa 8 centavos, para evitar receber ainda mais moedas. A balconista pegou o dinheiro e ficou olhando para a máquina registradora, aparentemente sem saber o que fazer. Ele tentou explicar que ela tinha que dar 50 centavos de troco, mas ela não se convenceu e chamou o gerente para ajudá-la. Ficou com lágrimas nos olhos enquanto o gerente tentava explicar e ela aparentemente continuava sem entender.

Por que contar isso? Porque nos damos conta da evolução do ensino de Matemática desde 1950, que foi assim:

1. Ensino de Matemática em 1950: Um cortador de lenha vende um carro de lenha por R$ 100,00. O custo de produção desse carro de lenha é igual a 4/5 do preço de venda. Qual é o lucro?

2. Ensino de Matemática em 1970: Um cortador de lenha vende um carro de lenha por R$ 100,00. O custo de produção desse carro de lenha é igual a 4/5 do preço de vendaou R$ 80,00. Qual é o lucro?

3. Ensino de Matemática em 1980: Um cortador de lenha vende um carro de lenha por R$ 100,00. O custo de produção desse carro de lenha é R$ 80,00. Qual é o lucro?

4. Ensino de Matemática em 1990: Um cortador de lenha vende um carro de lenha por R$ 100,00. O custo de produção desse carro de lenha é R$ 80,00. Escolha a resposta certa,que indica o lucro: ( )R$ 20,00 ( )R$40,00 ( )R$60,00 ( )R$80,00 ( )R$100,00

5. Ensino de Matemática em 2000: Um cortador de lenha vende um carro de lenha por R$ 100,00. O custo de produção desse carro de lenha é R$ 80,00. O lucro é de R$20,00. Está certo? ( )Sim ( )Não

6. Ensino de Matemática em 2007: Um cortador de lenha vende um carro de lenha por R$100,00. O custo de produção é R$ 80,00. Se você consegue ler coloque um X no R$20,00. ( )R$ 20,00 ( )R$40,00 ( )R$60,00 ( )R$80,00 ( )R$100,00"


Seria cômico se não fosse trágico! Percebam que não se trata só do ensino de Matemática. Se trata do ensino de um modo geral, de todas as disciplinas! A cada dia que passa, os alunos aprendem menos nas escolas básicas. A cada dia que passa, menospreza-se mais e mais a capacidade que os sujeitos têm de raciocínio, de aprendizado, de busca pelo conhecimento. Principalmente das crianças, que são ótimas nesse aspecto!

Tenho um amigo, um antigo professor, que dizia que a escola é que estraga a capacidade de aprendizado e a criatividade das crianças. A flor, quando tiver que ser desenhada e pintada, deve ter o caule verde, as pétalas vermelhas e o miolo amarelo. Se a criança desenha uma flor com as pétalas pretas, é logo advertida pela professora! Todo mundo tem que andar no mesmo ritmo e aprender da mesma forma. E, como isso é impossível, o jeito é trabalhar "por baixo", num nível e numa qualidade que não exija muito dos alunos, em que a resposta seja, estatisticamente, mais satisfatória.

E, nesse ritmo, vamos criando adultos semi-analfabetos, qua mal sabem escrever o próprio nome. Querem ter a dimensão disso? Leiam os blogs, discussões no Orkut e em redes sociais de toda espécie na internet. A qualidade do que se escreve é, na maioria das vezes, vergonhosa!

Outra forma de você saber o que anda acontecendo com o resultado do trabalho da escola básica é conversar com um professor do Ensino Superior. Pergunte como são seus alunos e vai se surpreender! Os alunos ficam bitolados a sentar numa carteira e esperar que o professor lhe dê o que vai cair na prova. E só. Se o professor exige mais que isso do aluno, o fracasso, em termos de avaliação, é geral!

O que quero com esse texto é dizer aos professores e responsáveis pela escola básica, que não deixem a escola se tornar mais um espaço fútil e inútil na vida das pessoas. Sejam mais exigentes com os alunos, cobrem que eles trabalhem suas mentes e que corram atrás do conhecimento pretendido! Faz-se muito pouco nesse sentido e ninguém mais quer ter o trabalho de raciocinar. E acaba não aprendendo a fazê-lo. E acaba achando que isso é desnecessário em suas vidas. E acaba como aquela balconista da história lá de cima.


Alcione Torres Ribeiro

5 comentários:

Renê disse...

Vivencio isso no Ensino Superior!
Percebo que os alunos têm preferência por professores mais atenciosos. Ainda não consegui descobrir se por interesse (notas) ou por carência de saberes! Torço que seja a última!

vitinho disse...

Olá Alcione.
Infelizmente parece-me que é um mal universal. Eu próprio noto quando ajudo a minha filhota a fazer os trabalhos de casa que a miudagem aprende muito pouco na escola, presentemente.
Excelente texto. Os meus parabéns.
Bjs.

Ramon Steffen disse...

É realmente lamentável a educação básica em nosso país,muito lamentável.

Muito bom o texto,vou indicar para minha mãe que é professora ^^

JM disse...

Mt bom o blog
vida Longa =)

abraçãoo

Profª Thaiza disse...

Bom dia Alcione.
É incrível como vivenciamos isso em qualquer etapa! E, como você disse, seria cômico se não fosse tão trágico!O pior é que parece que nossos alunos se condicionam a esse tipo de situação também. Tem vezes que me desespero!!Se você coloca 1 + 2 = 3 eles sabem, e depois acham que essa é a ÚNICA alternativa possível e, se você coloca na avaliação 2 + 1 eles já não sabem mais a resposta...É enlouquecedor!
.
Seu blog sempre de qualidade!!
.
[]'s
.

Related Posts with Thumbnails